quinta-feira, 23 de julho de 2009

cinquenta e nove

As conversas são como as cerejas e há aquelas que convém anotar no moleskine ou qualquer outra sebenta para mais tarde recordar. Esta passou-se há pouco tempo com três convivas a saborearem um bacalhau perfeito ali para os lados de Xabregas. Falava-se de escritores e escritos, poetas e inventores, poemas e invenções e depois passou-se para a muito natural parvoíce.
O tema foi a cegueira parcial do nosso muy nobre Luiz Vaz De. É que ao fim e ao cabo ninguém sabe mesmo como ele vazou o olho. Após mais um digestivo, chegámos a estas cinco hipóteses:

uma - Ah, foi numa batalha e tal.
duas - Enquanto agarrava os escritos com uma mão e nadava com o outro braço, veio uma gaivota e comeu-lhe o olho.
três - Desmaiou no alto mar, veio um peixe e fez o que alguns humanos fazem a eles: chupou-lhe o olho.
quatro - foi uma prostituta genovesa com um stiletto. A coisa correu mal.
quinta - o diabo esfregou-lhe o olho.

Fui o autor da quarta e mantenho a minha noção.

8 comentários:

Pepper disse...

Eu a ler isto e a mastigar uma pastilha...

'Tá bonito está.
Beijos

mf disse...

Não me surpreende mesmo nada que tenha sido tua, a quarta hipótese...

volteface.book disse...

Pepper, sorry :)

volteface.book disse...

Mf... podia ter sido a quinta. :)

mf disse...

Nááááááá... A quarta é que tem a tua marca. ;)

volteface.book disse...

:) mas olha que pode muito bem ser verdade. O stiletto seria de madeira...

redonda disse...

Eu apostava na primeira...afinal se ela pensasse sequer em pegar no stiletto, ele só tinha que lhe atirar um poema para ela largar o stiletto...

volteface.book disse...

bom, é um belo ponto de... vista. :)