sexta-feira, 24 de julho de 2009

sessenta e três

Há homens que precisam mesmo de uma grande mulher a seu lado. Confesso ser um e não é difícil entender as razões e os porquês. Muito resumidamente, sou daqueles fulanos que não aprende com os erros. Assusto-me, mudo um hábito ou mania, mas não aprendo a lição continuando a ser tão fiel a mim e às minhas manias que até enjoa.
Já tive algumas vezes a oportunidade de resolver situações que depois continuam a ser problemas. Se bem que não tenho a solução, tenho a enxada o que já não é nada mau. Mas lá continuo no meu torpor à espera de melhores dias, queixando-me ao sol e à lua e tentando explicar-me que, afinal, não serei feito do mesmo calibre de alguns homens que fazem acontecer o impossível.
Também tive mulheres que eram grandes à sua maneira, mas perseguiam tanto os seus fantasmas que não tinham tempo - nem paciência - para serem a grande mulher por trás de um homem como eu. Se calhar nunca lhes pedi mas, lá está, também acho que é uma coisa que não se pede. Adivinha-se.

Recentemente tive a fortuna de ser escolhido por uma nova mulher, numa altura que pensava que tal já não fosse possível, o que acontece sempre quando se está de ressaca de uma longa relação.
Esta mulher não sabe que eu tenho este blog. Mesmo se soubesse creio que nunca o visitaria, pois é daquelas pessoas que respeita o mundo de outrém e que esse, por vezes, é privado.
Esta belíssima mulher já demonstrou que é a tal Mulher que um homem como eu precisa durante a sua vida.

Sou um sortudo, eu sei.

É-me difícil não pensar nela a cada minuto, de querer estar com ela, de poder mimá-la até conseguir combater as dúvidas que ainda tem em relação à minha permanência na sua vida.

Nunca fui muito bom a declarar o amor, apenas satisfação e bem estar.
Mas já lhe disse que ela deveria ter entrado na minha vida há 25 anos atrás, quando tudo era possível inclusivé mudar o mundo.
Agora o meu vai mudar por ela. E com ela.

E não sei o que mais acrescentar.

10 comentários:

trigolimpofarinh@mparo disse...

Está formidável, nem mais uma virgula, que o “resto” vem num normal acréscimo.

Mnemósine disse...

É preciso é dizer essas coisas todas à mulher em questão.

mf disse...

Não acrescentes mais nada. Não aqui. Diz-lhe a ela. :)

volteface.book disse...

Isso de lhe dizer são outros quinhentos.
Não tenho jeito e acho que vou balbuciar umas quantas parvoíces.

A fórmula que encontro é estar sempre com um sorriso.

Patricia disse...

Bem, se ao dizeres isto, ainda dizes que não és bom a declarar amor... a minha noção de bom, deve ser diferente da tua!

Anónimo disse...

ui, isto até doeu.

Quase nos 50 disse...

O que sente e escreveu aqui tem de o dizer a Ela.......
E teve o que se costuma chamar a sua oportunidade; saiba aproveitá-la que agora ou há 25 anos atrás está sempre em boa altura.
Parabéns por ter consciencia do que lhe aconteceu!
Um abraço

volteface.book disse...

Patricia, sabe-se lá, não é?

volteface.book disse...

Anónimo, Aspirina!
:)

volteface.book disse...

Quase nos 50, já lho disse!
:)